Seja bem vindo!!

*** Escritório de Advocacia***

Drª Deise das Graças Lobo

OAB/ES 21.317

(028) 9 9964 4470 - (028) 3 511 7091

deiselobo.dl@hotmail.com

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Atuamos em causas Cíveis, Criminais, Trabalhistas, Administrativas, ambientais e previdenciárias.



As leis mais absurdas do mundo














Todo mundo sabe que as leis são essenciais para manter a ordem social, mas algumas delas são um tanto absurdas e até certo ponto inacreditáveis. Confira agora com o JurisOffice as leis mais absurdas do mundo.

Camboja

Quem não gostava de brincar com pistolas de água quando criança? Pois é, mas parece que no Camboja o uso dessas inofensivas armas é proibido, pelo menos na celebração do ano-novo. Acredita-se que a brincadeira pode trazer azar para o ano que se inicia.

Carolina do Norte - EUA

Esta é para aqueles que namoram há dez anos e ainda não tiveram coragem de casar. É melhor ficarem atentos e não irem para a Carolina do Norte! No estado, basta um casal entrar em um hotel e pedir um quarto de casal para serem considerados legalmente casados.

Blythe – EUA

Você usa roupas de skatista, mas não sabe andar de skate? Que absurdo!

Foi mais ou menos o que os elaboradores dessa lei em Blythe pensaram. Se você quer usar bota de cowboy deve possuir, pelo menos, duas vacas. Isso não é ideia do esquadrão da moda, está na lei!

Israel

Atenção, aos sábados em Israel é proibido enfiar o dedo dentro do próprio nariz. A lei vale somente para os homens judeus, pois afirma que o ato pode gerar sangramentos, resultando em violação do código de santidade religiosa

França

Em respeito a Napoleão Bonaparte, é proibido batizar qualquer porco com o nome de Napoleão. Das 8h às 20h, 70% das canções tocadas nas rádios do país devem ser de músicos franceses.

Nada de demonstração de afeto em público, na França é ilegal beijar na boca dentro do metrô.

Suíça

Na Suíça é proibido dar sorte para o azar. Caso você deixe as chaves dentro do carro com a porta destravada, será multado.

Finlândia

Sabe aquele taxista que está sempre ouvindo Alfa-Fm no carro? Na Finlândia, se os taxistas colocam músicas em seu carro (enquanto transportam clientes) devem pagar direitos autorais.

Chico – Califórnia

Não vá explodir uma bomba nuclear em Chico, pois senão você terá de pagar uma multa de 500 dólares. Difícil mesmo é saber que ia sobrar vivo para cobrar o dinheiro.

Lei da Melancia - Rio Claro, SP, 1894.

A deliciosa melancia foi proibida em 1894 na cidade de Rio Claro, no interior de São Paulo, pois era acusada de ser agente transmissora de tifo e febre amarela. Hoje em dia a lei já não é mais válida e o consumo de melancia está liberado na cidade!

Laranjon - Espanha

Em 1999 era proibido morrer em Laranjon, pois não havia mais vagas no cemitério. A proibição durou até a Prefeitura construir um novo cemitério.

Kentucky – EUA


Essa é para aqueles que não gostam de tomar banho. No estado americano há uma lei que obriga todo cidadão a tomar pelo menos um banho por ano.


Veja mais;

http://paulaargolo.jusbrasil.com.br/artigos/253863244/as-leis-mais-absurdas-do-mundo?utm_campaign=newsletter-daily_20151111_2261&utm_medium=email&utm_source=newsletter

.

Atuamos em causas Cíveis, Criminais, Trabalhistas, Administrativas, ambientais e previdenciárias.


Prazos nos Juizados e os Efeitos da Revelia














Muitas dúvidas e muitas interpretações surgem a partir deste tema, confira comigo.
A Lei nº 9.099/95, Lei dos Juizados Especiais Cíveis, instituiu novas regras de processo, procedimentos e prazos diferenciados dos processos que tramitam nas Varas Cíveis comum. Pelo Princípio da Especialidade desta norma, os processos que tramitam pelo rito dos juizados não podem se render ao Código de Processo Civil, apenas subsidiariamente, e em casos omissos.

Prazos nos Juizados e os Efeitos da Revelia

O estudo deste tema começou em um processo que tramita pelo rito do Juizado, pois recebi uma publicação onde era certificado que a contestação apresentada era intempestiva, mandando eu me manifestar. Contando os prazos nos termos do CPC, vi que o prazo estava correto. Fiquei na dúvida, pois desconhecia esta informação que vou compartilhar com vocês.

Questionando colegas e professores, descobri a existência de Enunciados do FONAJE, Fórum Nacional de Juizados Especiais, bem como algumas outras considerações que farei a seguir.

Quero compartilhar com vocês o que descobri quanto à contagem dos prazos para contestar em sede de Juizados Especiais. Assim é importante, antes de adentrar no mérito da questão, apresentar uma rápida e exemplificativa comparação entre o CPC, a Lei 9.099/95 e os Enunciados do FONAJE.

No rito do CPC os prazos ficam suspensos com a superveniência de férias (art. 179 CPC); já nos Juizados Especiais, segundo o Enunciado nº 86 do FONAJE, não se suspendem os prazos por motivo de férias;
ENUNCIADO 86 – Os prazos processuais nos procedimentos sujeitos ao rito especial dos Juizados Especiais não se suspendem e nem se interrompem.

Os recursos no CPC tem prazo de 15 dias (art. 508 CPC), enquanto na Lei Especial, art. 42, é de 10 (dez) dias;
Início da contagem do prazo

Quanto o início da contagem dos prazos versa o artigo 241 do CPC que se inicia a partir da juntada do mandado, do AR, ou da Carta, ao processo; enquanto nos Juizados Especiais, segundo Enunciado nº 13 do FONAJE, o início da contagem do prazo é o da data da ciência do ato respectivo;

ENUNCIADO 13 – Os prazos processuais nos Juizados Especiais Cíveis, contam-se da data da intimação ou ciência do ato respectivo, e não da juntada do comprovante da intimação, observando-se as regras de contagem do CPC ou do Código Civil, conforme o caso.

Seguem também uma jurisprudência sobre o tema:

CIVIL. PROCESSO CIVIL. AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS. ABALROAMENTO DE VEÍCULOS. LEGITIMIDADE ATIVA DO RECORRIDO. TERMO INICIAL PARA APRESENTAR CONTESTAÇÃO. ENUNCIADO 13 DO FONAJE. DECRETAÇÃO DOS EFEITOS DA REVELIA.VEROSSIMILHANÇA DAS ALEGAÇÕES DO AUTOR CONSTATADAS. AUSÊNCIA DE CERCEAMENTO DE DEFESA DO RECORRENTE. APELO IMPROVIDO. SENTENÇA MANTIDA.1. (…) 2. DE ACORDO COM O ENUNCIADO Nº 13 DO FONAJE, “OS PRAZOS PROCESSUAIS NOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS, CONTAM-SE DA DATA DA INTIMAÇÃO OU CIÊNCIA DO ATO RESPECTIVO, E NÃO DA JUNTADA DO COMPROVANTE DA INTIMAÇÃO, OBSERVANDO-SE AS REGRAS DE CONTAGEM DO CPC OU DO CÓDIGO CIVIL, CONFORME O CASO”. DESSA MANEIRA, CORRETA A SENTENÇA QUE DECRETA OS EFEITOS DA REVELIA CONTRA O RECORRENTE, VEZ QUE, INTIMADO O RÉU, EM 2AGO2008, PARA APRESENTAR A CONTESTAÇÃO NO PRAZO DE 10 (DEZ) DIAS, ESTE MANTEVE-SE INERTE (F. 28). (…) 3. NÃO HÁ QUE SE FALAR EM CERCEAMENTO DE DEFESA DO RECORRENTE, PORQUANTO O JUÍZO DE PRIMEIRO GRAU LHE OPORTUNIZARA PRAZO SUFICIENTE PARA APRESENTAR A CONTESTAÇÃO, NÃO OBSTANTE A INÉRCIA DO RÉU. IMPORTANTE RESSALTAR QUE O PROCEDIMENTO DOS JUIZADOS BASEIA-SE NO PRINCÍPIO DA CELERIDADE, DE MANEIRA QUE O PRAZO PARA APRESENTAR A CONTESTAÇÃO COMEÇA A CORRER A PARTIR DA DATA DE SUA INTIMAÇÃO, CONFORME O ENUNCIADO 13 DO FONAJE SUPRAMENCIONADO. ADEMAIS, QUANTO A ESTE ASPECTO, DE RIGOR DESTACAR QUE O RECORRENTE FORA DEVIDAMENTE INTIMADO QUANTO AO ENUNCIADO EM COMENTO, CONFORME ATESTA A F. 29. 4. SENTENÇA MANTIDA POR SEUS PRÓPRIOS E JURÍDICOS FUNDAMENTOS, COM SÚMULA DE JULGAMENTO SERVINDO DE ACÓRDÃO, NA FORMA DO ARTIGO 46 DA LEI Nº 9.099/95. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS FIXADOS EM 10% DO VALOR CONDENAÇÃO, MAIS CUSTAS PROCESSUAIS, A CARGO DA RECORRENTE. (TJ-DF – ACJ: 693433620088070001 DF 0069343-36.2008.807.0001, Relator: JOSÉ GUILHERME DE SOUZA, Data de Julgamento: 15/12/2009, SEGUNDA TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS E CRIMINAIS DO DF, Data de Publicação: 28/01/2010, DJ-e Pág. 116)

Termo inicial da contagem do prazo

Quanto ao termo inicial da contagem do prazo, verificamos que o artigo 184 do CPC institui a forma. E, vale destacar, inicia sua redação com a seguinte ressalva: SALVO DISPOSIÇÃO EM CONTRÁRIO.

Art. 184. Salvo disposição em contrário, computar-se-ão os prazos, excluindo o dia do começo e incluindo o do vencimento.

Assim, não podemos considerar este artigo Princípio Judídico ou mesmo norma cogente, pelo fato de que, quando o assunto é Juizados, existe disposição em contrário, vejamos.

Há expressa previsão, levando-se em consideração o Princípio da Celereidade (art. 2º da Lei 9.099/95) e no art. 42, interpretado pelo Enunciado nº 13 do FONAJE, que indica, categoricamente, que a contagem do prazo inicia-se da ciência da sentença. A interpretação literal não pode ser outra, conta-se o dia do começo, isso mesmo: NÃO EXCLUI O DIA DO COMEÇO, como no CPC. Claro que, se o dia do vencimento cair em final de semana ou feriado, prorrogar-se-á ao primeiro dia útil subseqüente;

Assim, se existe dispositivo de norma que diz “salvo disposição em contrário” na contagem de prazo se exclui o dia do começo, logo, o correto é não excluir, e sim contar do dia do começo. Se não fosse, não precisaria estar escrito! E mais, apenas assim se procede, caso não haja disposição em contrário, logo não é regra, mas exceção.

Em verdade, ab initio, tal confusão interpretativa foi bastante discutida, mas o tempo e a interpretação empírica brasileira têm firmado entendimento que a contagem do prazo, em sede de Juizado Especial, computa-se o dia do começo, sem excluí-lo, diversamente da exceção condita no art. 184 do CPC, que por simples hábito, quer-se, revesti-lo de regra, quando é exceção.

Dito isto, passaremos para os efeitos destes prazos nos Juizados Especiais.

Uma observação importante que faço: quando recebi minha publicação, fui verificar a data da intimação e a data do recebimento do AR. Demorou para eu observar que na própria Carta de Intimação continha menção ao Enunciado 13. Sendo assim, aleguei que a requerida não pode alegar desconhecimento, muito menos que tal Enunciado não se aplica ao caso concreto.

O mérito é exatamente este, a lei de regência dos Juizados Especiais é específica para as ações que a abriga, é uma norma especial que deve ser lida em prejuízo dos dispositivos de ordem geral contidas no CPC.

Sendo a contestação apresentada em face da minha inicial INTEMPESTIVA, por não observar os prazos específicos, alguns efeitos surgiram.

O primeiro efeito: Preclusão Temporal

Tem-se a preclusão temporal quando um ato não puder ser praticado em virtude de ter decorrido o prazo previsto para sua prática sem a manifestação da parte. Ou seja, a parte interessada que deixa de realizar o ato dentro do prazo previsto, não mais poderá ser realizado, já que extemporâneo.

A vedação da prática do ato, e a consagração do princípio da preclusão temporal está no texto do art. 183 do CPC, senão vejamos:

Art. 183. Decorrido o prazo, extingue-se, independentemente de declaração judicial, o direito de praticar o ato.

Igualmente é o entendimento dos Tribunais superiores, senão vejamos:

AGRAVO DE INSTRUMENTO – AÇÃO ORDINÁRIA-CONTESTAÇÃO- INTEMPESTIVIDADE. A contestação deve ser apresentada no prazo de 15 (quinze) dias. Não observada a regra processual civil em vigor, o fenômeno processual da preclusão temporal opera seus efeitos, e o não conhecimento da contestação é medida que se impõe. Recurso não provido. (TJ-MG – AI: 10542110011088003 MG, Relator: Saldanha da Fonseca, Data de Julgamento: 03/04/2013, Câmaras Cíveis / 12ª CÂMARA CÍVEL, Data de Publicação: 15/04/2013).

O segundo efeito: Revelia

Revelia, nos termos do art. 20 da Lei 9.099/95, bem como no art. 319 do CPC.

Apresentada fora do prazo a Contestação, é como se a mesma não tivesse sido apresentada, sendo devida a decretação da revelia. O artigo 319 do CPC, disciplina sobre a hipótese de aplicação da revelia, sendo que o referido dispositivo é redigido no imperativo, ou seja, se o réu não contestar a ação, necessariamente os fatos afirmados pelo autor serão considerados como verdade, sob pena de configurar violação ao Princípio da Legalidade, esculpido no art. 5º inciso II da Constituição Federal.

Ademais, ainda podemos citar aqui o Enunciado nº 11 do FONAJE:

ENUNCIADO 11- Nas causas de valor superior a vinte salários mínimos, a ausência de contestação, escrita ou oral, ainda que presente o réu, implica revelia.

Assim, como se observa, a ausência da contestação ou a sua não apresentação em tempo e modo determinados, já são elementos suficientes para a decretação da revelia, e como consequência a aplicação dos seus efeitos descritos nos arts. 319 a 322 do CPC: a) presunção de veracidade dos fatos alegados pelo autor, b) caso o réu não tenha procurador constituído nos autos os prazos correrão independente de intimação, e c) possibilidade de julgamento da lide no estado em que se encontre.

Art. 330 – O juiz conhecerá diretamente do pedido, proferindo sentença: (…), II – quando ocorrer a revelia (Art. 319)

Art. 18. A citação far-se-á: (…)§ 1º A citação conterá cópia do pedido inicial, dia e hora para comparecimento do citando e advertência de que, não comparecendo este, considerar-se-ão verdadeiras as alegações iniciais, e será proferido julgamento, de plano.

O terceiro efeito: Presunção de veracidade dos fatos alegados na inicial

A intensão do legislador em impor ao demandado sansões por não obedecer o chamado jurisdicional, culmina também na presunção de veracidade dos fatos alegados na inicial, conforma acima mencionado.

O quarto e último efeito: Desentranhamento da Contestação Intempestiva como efeito da revelia

Os prazo processuais são questão de ordem pública e devem ser cumpridos nos prazos estabelecidos, conforme art. 177 do CPC:

Art. 177. Os atos processuais realizar-se-ão nos prazos prescritos em lei. Quando esta for omissa, o juiz determinará os prazos, tendo em conta a complexidade da causa (…)

Como se percebe, o marco temporal é fundamental para a prática de atos dentro de um processo, tanto que quando a lei não prescreve, o juiz deverá determinar um prazo para realização do ato.

No caso, a contestação é um prazo previsto em lei, não podendo o magistrado alterar. Neste contexto, a rigidez dos prazos peremptórios é explicitada e o acolhimento da contestação fora do prazo estatuído, traduz em dilação de prazo peremptório, o que claramente é vedado pelo ordenamento jurídico.

Desta forma, quando o réu devidamente citado não apresenta a sua contestação ao tempo expresso em lei, por óbvio abriu mão do direito de contestar, e deve suportar todos os efeitos da revelia, já que o vencimento deste prazo com a inercia do réu faz nascer a preclusão, e consequentemente a vedação da pratica do ato, conforme dito acima e prescrito no art. 183 do CPC.

Assim, operando-se a preclusão e consequente revelia, e levando-se em consideração a redação dos artigos 177, 182 e 183, se percebe que além do efeito já descritos, insurge-se ainda a vedação de prática de atos à destempo, tem-se que a contestação apresentada após o 15º dia, deve ser excluída dos autos.

Tal ato a ser praticado pelo magistrado, tem uma formação sólida nos próprios fundamentos acima expostos, visto que, atos fora do prazo são vedados, e por questão lógica, a vedação obriga a exclusão.

A doutrina, segue o mesmo entendimento, inclusive defende Silva (2007):

A revelia é o instituto jurídico definido na sistemática do CPC como sendo o estado em que se enquadra o réu, em face da sua inércia não oferecendo, em tempo hábil, e de maneira adequada, a contestação, não obstante ter sido regularmente citado. Consequentemente, a juntada da peça contestatória, após o decurso do prazo quinzenal, não demonstrada a justa causa para o atraso verificado, de modo a autorizar a sua reabertura, conforme previsto no art. 183, § 1.º do CPC, dará ensejo à decretação da revelia do réu, com todos os seus consectários (art. 319 c/c art. 322), inclusive o desentranhamento da contestação eventualmente oferecida a destempo e respectivos documentos. SILVA, Ovídio A. Baptista. Curso de Processo Civil, v 3, São Paulo: ed. Revista dos Tribunais, 3ª ed. Ver. E atual., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

Os tribunais superiores pátrios, bem como o Superior Tribunal de Justiça, em decisão sobre a matéria, já manifestou no mesmo sentido:

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. REVELIA. CONTESTAÇÃO. INTEMPESTIVIDADE. REVELIA. CPC, ART. 319. I. Caracterizada a revelia do réu, legítima a desconsideração da contestação intempestiva e o seu desentranhamento. Precedentes. II. Agravo regimental improvido. (AgRg no REsp 799.172/MT, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JÚNIOR, QUARTA TURMA, julgado em 06/08/2009, DJe 08/09/2009);

“AGRAVO CONTRA DECISÃO QUE NEGA SEGUIMENTO A AGRAVO POR INSTRUMENTO – CONTESTAÇÃO APRESENTADA FORA DO PRAZO – REVELIA – DETERMINAÇÃO DE SEU DESENTRANHAMENTO – POSSIBILIDADE – RECURSO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. Não é ilegal a decisão que determina o desentranhamento de contestação apresentada tardiamente pelo réu revel, porque se os fatos nela apresentados não podem ser levados em conta e se iura novit curia, seu conteúdo não precisa ser analisado; e, ainda que possa ser útil para a solução da causa, o desentranhamento determinado não ofende o princípio do contraditório e da ampla defesa. (Agravo Regimental n. 2005.013579-3/0001-00 – Rel. Des. Jorge Eustácio Frias – 27.09.05 – TJMS).”

AÇÃO DE COBRANÇA. CONTESTAÇÃO INTEMPESTIVA. DESENTRANHAMENTO. POSSIBILIDADE. 

A determinação de desentranhamento da peça defensiva oferecida fora de seu prazo legal consiste em consequência advinda do reconhecimento da revelia. A medida preserva o livre convencimento do juiz, órgão jurisdicional que conhece o direito, e não ofende o devido processo legal, já que o réu foi devidamente citado, foi-lhe concedido prazo para se manifestar e não está impedido de atuar no processo no estado em que se encontra. Agravo não provido. (TJ-SP – AG: 2224096920128260000 SP 0222409-69.2012.8.26.0000, Relator: Sandra Galhardo Esteves, Data de Julgamento: 05/12/2012, 12ª Câmara de Direito Privado, Data de Publicação: 08/01/2013)

O desentranhamento, deve ser analisado com fulcro no artigo 195 do Código de Processo Civil, que trata do instituto prazo peremptório com rigor, trazendo como sansão ao transgressor do prazo estabelecido a desconsideração do ato praticado e o próprio desentranhamento da petição e documentos.

Art. 195. O advogado deve restituir os autos no prazo legal. Não o fazendo, mandará o juiz, de ofício, riscar o que neles houver escrito e desentranhar as alegações e documentos.

Assim, o desentranhamento surge como mais uma sanção ao réu que se apresenta tardiamente, juntando-se aos efeitos da revelia efetivamente previstos, sendo que o dispositivo supramencionado é de mais acertada aplicação.

Por derradeiro, há de se destacar que, a contestação intempestiva caso seja acolhida, coloca em risco o próprio efeito clássico da revelia de presunção de veracidade dos fatos, pois a sua manutenção nos autos, poderá influenciar na formação do convencimento do magistrado, tornando inócua a sanção do artigo 319 do CPC. A preservação de tal peça nos autos não faz sentido, senão para ser analisada e sopesada pelo magistrado na ocasião da prolação da sentença, pois se não tivesse este objetivo aí sim perderia totalmente a utilidade da mesma dentro do processo.

Note que houve citação valida da Requerida para a apresentação da sua defesa no prazo legal.

Se tal direito não foi efetivamente gozado pela Requerida, não pode a mesmo alegar cerceamento de defesa, isto pois, o prazo se escoou com o seu devido conhecimento dela, e operou-se a preclusão pela sua própria inercia.

A não configuração do cerceamento de defesa emerge justamente da preclusão da oportunidade de contestar, que automaticamente atinge também a produção de provas do revel.

Este também é o entendimento dos Tribunais Superiores, conforme se desprende dos arestos jurisprudenciais:

CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO INDENIZATÓRIA. DECRETAÇÃO DE REVELIA E JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE. AUSÊNCIA DE CERCEAMENTO DE DEFESA.NULIDADE AFASTADA. MÉRITO. APRESENTAÇÃO DE CHEQUE DA AUTORA PELA RÉ PARA DESCONTO APÓS O RECEBIMENTO, EM ESPÉCIE, DA QUANTIA POR ELE REPRESENTADA. DEVOLUÇÃO DA CÁRTULA POR INSUFICIÊNCIA DE FUNDOS. DANO MORAL EVIDENTE. DEVER DE INDENIZAR CARACTERIZADO. SENTENÇA MANTIDA. APELO DA RÉ DESPROVIDO. 

A decretação da revelia autoriza o julgamento antecipado da lide, nos termos do artigo 330, II, do Código de Processo Civil, mormente quando as provas documentais constantes do processo permitem a segura prolatação de sentença pelo magistrado. A apresentação, pelo credor, de cheque para desconto na rede bancária após o recebimento da dívida por ele representada dá azo ao reconhecimento dos danos morais alegados pelo devedor, mormente quando a cártula é devolvida pelo banco por insuficiência de fundos. (TJ-SC – AC: 291527 SC 2005.029152-7, Relator: Luiz Carlos Freyesleben, Data de Julgamento: 28/09/2009, Segunda Câmara de Direito Civil, Data de Publicação: Apelação Cível n., de Porto Belo).

Com efeito, não existe qualquer possibilidade do desentranhamento da contestação intempestiva caracterizar cerceamento de defesa, pois, após o seu desentranhamento a Requerida continua funcionando nos autos, podendo inclusive produzir provas fazendo com que os institutos que regulam a forma e o tempo dos atos processuais, se operem em perfeita harmonia com a ampla defesa e contraditório, formando um processo dentro dos limites e requisitos do devido processo legal.

Prazos nos Juizados e os Efeitos da Revelia

Conclusão

Os prazos estabelecidos nas leis epeciais devem ser observados, pois, lembre-se: lei especial (Lei 9.099/95) prevalece sobre a lei geral (CPC);

Estas observações são muito importantes tanto para os advogados iniciantes, como para aqueles que já estão há um tempo na atividade, pois são detalhes que muitas vezes passam despercebidos.

E….. Contestação intempestiva é a mesma coisa que ausência de contestação!

Uhullll… ganhei a causa! Veja aqui meu site e o artigo original.

Erica Avallone


Direito de Família, Consumidor e Tributário

Formada em 2011 pela Instituição Toledo de Ensino, atua principalmente em Direito de Família, Direito do Consumidor e Direito Tributário, atua também em Direito Empresarial e Contratual Facebook: Erica Avallone Site: http://ericaavallone.com.br/

Atuamos em causas Cíveis, Criminais, Trabalhistas, Administrativas, ambientais, Previdenciárias.


TJ-SP nega união estável a mulher que não tinha chave da casa do namorado















Se a namorada de um homem não possui a chave da casa dele, nem deixa objetos seus nesse lugar, fica claro que parceiro não tinha confiança nela ou intenção de constituir família. Com esse entendimento, a 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo deferiu Apelação interposta pelo espólio de um homem que morreu recentemente e reverteu sentença que havia reconhecido união estável dele com a autora da ação.

Após a decisão de primeira instância, os herdeiros recorreram argumentando que os dois namoraram, mas não de forma ininterrupta, e estavam separados quando o homem morreu. Embora reconheçam que ele a ajudou financeiramente, os autores da Apelação sustentam que ele agia da mesma forma com diversas pessoas. Como prova de que não tinha especial carinho por ela, apontaram o fato de que ele declarou em seu Imposto de Renda que sua antiga namorada lhe devia dinheiro.

Em sua decisão, o relator do caso, desembargador Carlos Teixeira Leite Filho, afirmou que as provas trazidas pela autora não são suficientes para que se comprove que ela mantinha uma relação estável com o homem à época de sua morte. Segundo o relator, o ex-namorado dela “não tomou qualquer atitude para tornar definitiva essa relação amorosa, pois, diferente do que acontece com os jovens, não havia o que esperar para constituir família, ou, garantir algum conforto para sua namorada, doze anos mais nova”.

Na opinião de Teixeira Leite, o fato de a antiga companheira não ter a chave da casa de seu parceiro nem objetos no local demonstra que “não havia essa mínima confiança e disponibilidade de privacidade em relação ao afirmado companheiro, o que também sugere incompatibilidade com o que se espera de uma união estável”.

Outra prova disso é que o homem declarou em seu IR que a mulher lhe devia R$ 35 mil, quando poderia ter registrado a operação como doação, sem exigir a devolução do valor. Além disso, o desembargador cita a venda, por ele, de seu sítio a sua parceira comercial por um valor irrisório. Para o relator, se o homem tivesse intenção de manter união estável com ela, não teria feito essa transação, mas mantido o imóvel para lazer dos dois.


Com isso, o relator concluiu que a autora manteve “simples namoro com o falecido”, e, por isso, votou pelo provimento da Apelação. Seus colegas de Câmara seguiram o seu entendimento e declaram a inexistência de união estável entre os dois.


Veja mais;

http://consultor-juridico.jusbrasil.com.br/noticias/254343204/tj-sp-nega-uniao-estavel-a-mulher-que-nao-tinha-chave-da-casa-do-namorado?utm_campaign=newsletter-daily_20151111_2261&utm_medium=email&utm_source=newsletter

.

Atuamos em causas Cíveis, Criminais, Trabalhistas, Administrativas, ambientais, Previdenciárias.


Bomba! Justiça brasileira legaliza maconha para uso medicinal














Decisão de ontem da Justiça Federal do DF deu prazo de dez dias para a Agência de Vigilância Sanitária, que regula os medicamentos no país, retirar o THC da lista negra das substâncias proibidas. Isso já foi feito com o Canabidiol (CBD), em janeiro de 2015, por iniciativa da própria Anvisa. Mas o THC, princípio ativo responsável pelo barato da maconha, continua banido.

A outra novidade é que, segundo a sentença, estão autorizadas a prescrição e a importação de Cannabis sativa L. “Agora, um médico pode prescrever a planta in natura“, diz Emílio Figueiredo, consultor jurídico do Growroom, associação que defende o cultivo para uso pessoal.

A decisão é uma tutela antecipada: ou seja, o juiz ainda não proferiu sua decisão final sobre todos os pontos da ação. Mas antecipou a decisão sobre pontos que considera urgentes. Que são:

Reclassificar o THC. “Transferir, em dez dias, o THC da lista F2 do anexo da lei de drogas, que contém as substâncias psicoativas banidas, para uma lista de substâncias sujeitas à notificação de receita” – ou seja, ele passa a ser autorizado mediante prescrição médica.
Mudar, em dez dias, a portaria 344/98 para “permitir, por ora, a importação, exclusivamente para fins medicinais, de medicamentos e produtos que possuam como princípios ativos os componentes THC (TETRAHIDROCANNABINOL) e CDB (CANNABIDIOL), mediante apresentação de prescrição médica e assinatura de termo de esclarecimento e responsabilidade pelo paciente”.
Permitir a pesquisa e a prescrição “da Cannabis sativa L. E de quaisquer outras espécies ou variedades de cannabis, bem como dos produtos obtidos a partir destas plantas, desde que haja prévia notificação à ANVISA e ao Ministério da Saúde”.
A ação do MPF também pediu a autorização de importação de sementes e do cultivo pessoal para uso medicinal. Essas demandas estão entre as que ainda não foram julgadas pelo juiz Marcelo Rebello, da 16a Vara de Justiça Federal do DF.

Consultada, a Anvisa disse por meio de sua assessoria de imprensa que ainda não sabe se vai recorrer. “Não sabemos ainda. A Diretoria vai avaliar os efeitos da decisão e possíveis ações da Anvisa. Não temos uma resposta, até porque na verdade ainda não fomos sequer notificados, embora tenhamos acesso à decisão na internet.”


Em janeiro, quando a Anvisa reclassificou o CBD, o então presidente da Anvisa Jaime Oliveira disse a este blog que “Sem dúvida nenhuma, a situação do THC tem que ser explorada e analisada“.


Veja mais:

http://pedromaganem.jusbrasil.com.br/noticias/254106216/bomba-justica-brasileira-legaliza-maconha-para-uso-medicinal?utm_campaign=newsletter-daily_20151111_2261&utm_medium=email&utm_source=newsletter


.

Atuamos em causas Cíveis, Criminais, Trabalhistas, Administrativas, ambientais, Previdenciarias.

Poder da oratória: 5 dicas fundamentais para melhorar a sua técnica


Qual é a formula para possuir uma boa técnica de oratória? Normalmente, quando é preciso realizar uma apresentação sempre existe a preocupação com as palavras e os argumentos que serão usados.

Todavia, muitos oradores não concordam de que somente isso para um bom discurso é suficiente, pois existem diversos fatores envolvidos, como a forma que seus argumentos serão apresentados: a oratória. Pensando nisso, separamos abaixo 5 dicas para fazer sua apresentação com mais qualidade e segurança:

1 – Postura

Quando você efetua uma palestra, a ideia é chamar a atenção da plateia com o discurso, não é? No entanto, é bom estar ciente que antes de pronunciar qualquer palavra, a partir do instante que você apareceu no espaço, sua postura já começa a falar tudo a seu respeito. Mesmo que isso possa parecer exagerado, vários elementos de sua personalidade vão ficar ainda mais evidentes, apenas pela forma como você se coloca fisicamente no palco.

E não ter o devido cuidado nesse aspecto pode repassar as seus espectadores uma postura negativa, de falta de confiança ou desleixo. Entre os fatores essenciais para uma boa postura, está a coluna, que precisa estar permanentemente ereta. Ainda é essencial se movimentar sem pressa para não repassar um conceito de ansiedade e que mãos estejam unidas em frente ao corpo.

2 – Caminhar

Ao estar diante de um público totalmente desconhecido, mesmo os oradores mais veteranos podem se sentir receosos. Caminhar é uma sugestão tradicional para tentar controlar o nervosismo.

É normal sentir medo ou ansiedade ao encarar um público pela primeira vez. A questão é que os oradores de qualidade conseguem lidar com essa pressão psicológica. A ideia de caminhar acaba com a energia de ansiedade que está acumulada, de forma elegante e adequada no meio de uma apresentação.

3 – Treinando a oratória

Mesmo para alguém que esteja acostumado a fazer apresentações constantemente é fundamental treinar sempre que possível. A prática é o elemento básico e nunca deve ser menosprezado. Tenha sempre a sua apresentação memorizada, elabore as perguntas que possam surgir, treine na frente do espelho, tente apresentar para familiares ou amigos, enfim, não se permita estar “enferrujado”.

4 – Importância do olhar

Uma das desvantagens que a tecnologia trouxe para o cotidiano foi a dificuldade em ter uma conversa olho no olho, normalmente, as pessoas param para ter uma conversa e já estão vidradas em seus smartphones, tablets ou qualquer outro aparelho eletrônico. Da mesma forma, esse desconforto acontece com quem faz uma apresentação sem sequer encarar o seu púbico.

A atitude simples de olhar para o público aumenta o nível de atenção. Enfim, olhar é fundamental para a comunicação interpessoal e se expressar olhando para o chão ou para o teto é algo extremamente proibido na oratória.

5 – Não confie totalmente sua apresentação à tecnologia

Usar alguns recursos tecnológicos durante a sua apresentação pode conceder ainda mais qualidade para o seu trabalho, no entanto, você não pode confiar inteiramente nesses acessórios.


Existem diversos tipos de equipamentos que podem ajudar a deixar a sua apresentação ainda mais interessante. E um orador de qualidade não pode depender totalmente desses elementos para efetuar o seu trabalho. Afinal de contas, uma apresentação deve estar baseada no conhecimento do profissional e não nos recursos técnicos. O ideal é optar por um equilíbrio desses dois elementos: tecnologia e conteúdo de qualidade.


Veja mais;

http://blog.juridicocorrespondentes.com.br/2015/11/poder-da-oratoria-5-dicas-fundamentais-para-melhorar-a-sua-tecnica.html?utm_source=Jur%C3%ADdico&utm_campaign=7373a2627b-artigos-blog-publicidade-20151111&utm_medium=email&utm_term=0_ca6d56a3c6-7373a2627b-75630513&goal=0_ca6d56a3c6-7373a2627b-75630513